segunda-feira, 29 de novembro de 2010

DESEJO !



Mordo o desejo
No pulso dos teus cabelos
Destapo o olhar
No corpo nu
Nado na imensidão
Do liquido embriagante
Transpirado dos teus lábios

O ventre encontra
A tua ilharga
Descubro ecos impulsivos
Vindos do íntimo peito

Amortalho o teu manto
Com o véu da vontade
Céu aberto nas asas
Do amatório
Conjuntura
De estrelas em volúpia.

Faminta !


Sob o chuveiro, entre agua , sabão e beijos
Quero te tocar e ser tocada por ti.
Meu peito apoiada nas tuas costas
A língua no pescoço, ao redor da nuca;
Teus músculos se retesaram
Ofertando uma parte de ti!
Quando vejo por uma nesga de camisa
A fluidez da beleza
É tão somente desejo escorregante
Que penetra em mim,
Tornando-me uma escrava
De corpo e alma.
Te desejando,
Pedacinho por pedacinho,
Percebo que a tua totalidade
Me escapa
Deixanda-me desesperada e faminta
De uma maneira quase servil.